quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

traga_mundos e a promoção da Cultura Transmontana



A Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real, foi convidada para participar com uma banca de livros, mais algumas coisas e loisas, no evento de promoção da Cultura Transmontana, organizado por Terras de Torga, de 27 a 29 de Janeiro de 2017, na Loja Interactiva de Turismo do Aeroporto Sá Carneiro, no Porto, Portugal.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Comunidade de leitores com Luísa Dacosta


A livraria Traga-Mundos  foi convidada para participar com uma banca de livros de Luísa Dacosta, no evento de 5.º aniversário da Comunidade de Leitores da Biblioteca Municipal de Vila Real, “Leituras cruzadas em torno da obra de Luísa Dacosta”, em sessão aberta ao público, dia 25 de Janeiro de 2016, quarta-feira, pelas 21h00, na Biblioteca Municipal Júlio Teixeira, em Vila Real, Portugal.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

um Calhau simples com mantinha


um Calhau simples com mantinha – para hoje à noite, na livraria traga_mundos

oiçam oiçam, e partilhem. por esse imenso Poeta da rádio, Fernando Alves

um grande, enorme, penedos e calhaus, de obrigados transmontanos. bem-haja!


domingo, 8 de janeiro de 2017

Fotografias de António Barreto


“Fotografias” de António Barreto

António Barreto dedicou à imagem fotográfica uma parte da sua vida e dos seus interesses. Com raras interrupções, fotografou durante mais de cinquenta anos. Este livro, organizado por Ângela Camila Castelo-Branco, reúne cerca de quarenta provas a preto e branco das fotografias feitas.

«(…) O sociólogo e analista do tempo que passa é também um fotógrafo compulsivo, mas discreto e sempre distante. Como quem está “de passagem”.
As mulheres da Nazaré surpreendidas no seu mundo negro de pranto sempre iminente; dois homens a conversar na berma da estrada, sobranceiros à cidade de Montreux e ao lago Léman, na Suíça; uma rapariga a posar displicentemente na esquina de um passeio, em Londres; três jovens na Praça do Povo em Roma, seguidos à distância por alguém de quem apenas se entrevê um braço?...

Mas estes instantâneos poderiam mesmo, no limite, multiplicar-se por 12.442 vezes, o número de negativos que o autor e principalmente a historiadora da fotografia Ângela Camila Castelo- Branco respigaram da colecção de Barreto para a realização deste seu primeiro livro e da consequente exposição (que poderá ser visitada até 30 de Dezembro).
Nela (e no livro, editado pela Relógio d’Água) encontraremos mais de quarenta anos de actividade fotográfica de António Barreto, o ex-ministro, sociólogo e observador atento da sociedade portuguesa (e do mundo) que nos habituámos principalmente a ler (é cronista do PÚBLICO desde o lançamento do jornal) e a ouvir nas televisões. E poderemos continuar a viajar, “de passagem”, pelo mundo inteiro: uma cena de Inverno em Champigny, em França; as pirâmides e a esfinge em Gizé, no Egipto; um vulto furtivo numa praça de Berlim, ainda no tempo da RDA; um homem solitário à espera de um comboio, em Londres; reformados a jogar às cartas junto ao mar, no Porto; e, claro, a sempre presente paisagem do Douro, a terra onde António Barreto (n. Porto, 1942) “viveu a sua infância entre escarpas e vinhedos”, e onde “ganhou corpo num ambiente familiar de província antiga, sob uma disciplina e uma austeridade que lhe forjaram o carácter”, como recorda Ângela Camila Castelo- Branco no texto Ler fotografia, a apresentar o livro e a exposição.» Público

Disponível na Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real... | Traga-Mundos – lhibros i binos, cousas i lhoisas de l Douro an Bila Rial...
[também disponível do autor os seguintes títulos: “Anos Difíceis”, "Novos Retratos do Meu País", "Tempo de Mudança", “Uma Década – retrato da semana, 1991 – 1999”, “Sem Emenda”, "Tempo de Incerteza"; "Fotografias", "Douro - Rio, Gente e Vinho"]


sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Bombeiros Voluntários da Cruz Branca, Vila Real


“Memórias dos Bombeiros de Salvação Pública – Nos 120 anos dos Bombeiros Voluntários de Salvação Pública e Cruz Branca de Vila Real”
(com 50 imagens)
Cadernos do Museu do Som e da Imagem (n.º 23)

Disponível na Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real... | Traga-Mundos – lhibros i binos, cousas i lhoisas de l Douro an Bila Rial...
[também disponível da colecção os seguintes títulos: “Nos 50 anos da televisão em Portugal – quando tudo começou” de António Barreto, “A Avenida da Marius”, “Ciclismo em Vila Real – memória fotográfica”, “Cargaleiro – obra gravada”, “Vila Real vista do céu – oito décadas de fotografia aérea”, “Memórias do Bairro de Santa Margarida”, “Memórias dos Bombeiros Voluntários – Nos 120 anos dos Bombeiros Voluntários de Vila Real e Cruz Verde”, “António Narciso Alves Correia – a fotografia em Vila Real na década de 1870” de Elísio Amaral Neves, “Vila Real pela objectiva de Filipe Borges Júnior”, “Construtores de Instrumentos Musicais de Trás-os-Montes e Alto Douro” e “Fez-se Mais Curto o Caminho entre o Marão e Espinho” de Elísio Amaral Neves, “Liceu Velho, Liceu Novo”, “Biodiversidade de Vila Real – Uma abordagem fotográfica”, “Vila Real pela objectiva de Filinto Monteiro”, “Vila Real – Nos 40 Anos do 25 de Abril”, “Circuito de Vila Real – o início”, "Biodiversidade de Vila Real – Nova abordagem fotográfica", “Desenho de Natureza e Desenho Científico”, "Rua Central – Memória Fotográfica", "Querida Maria – Postais da Primeira Grande Guerra" de Aires Torres, “Vila Real pela objectiva de José Aguilar”, “Memórias da Foto Brasil”]

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Literatura mirandesa no feminino


“La Paixarina Azul i Outras Cuontas” de Bina Cangueiro

Contos no feminino em língua Mirandesa «Bina Cangueiro scribe cuontas sacadas de la bida, de la sue i de ls que bibírun acerca deilha anquanto nina i moça. Ye ua scrita serena, que mos lhieba até als mais scundidos rincones de la bida, porque entra andrento las figuras de las cuontas i las pon a falar de ls sous suonhos, de las sues lhembráncias, de l sou modo de star ne l mundo. La sue capacidade para fazer subressalir la lhuç que las pessonas bótan ye mui grande, l que le dá a la sue scrita un aire mui própio, quaije trágico, mas cheno de sprança. Giente simpres i houmilde ou giente rica de bienes i de soledade, ninos i bielhos, pais i filhos, ye l drama houmano que bibe nas cuontas de Bina Cangueiro, un drama que fui l de l mais de las gientes de las tierras de Miranda até hai poucos anhos. Bina Cangueiro ye ua scritora an que ls mirandeses se puoden reber, an sue stória, sues malinas, sue sprança, sous suonhos. L que ten para mos dar cumo scritora solo agora ampeçou, i que nunca le falte la gana para cuntinar.» Amadeu Ferreira Director da Colecção An Mirandés

Bina Cangueiro ye Piçporra i Ribeirinha. Naciu en 1956, an Augas Bibas, i bibiu an Uba adonde fizo la scuola purmária i adonde sue bó, fuonte de sabedorie i guardadora de mimórias, le dou de quemer al sou manginairo. Fizo l lhiceu en Bergáncia, bibiu an Paris i ende studou na Sorbonne. Las sues raízes son ua hardança que nun trocaba por nada. La família ye la sue fertuna, por isso ten tiempo de sobra pa passar cachicos cun todos. Finta-se ne l amor i por el lhuita para ser feliç. Sorbe las alegries cumo chibicas que arrebanha ne l fondo dua malguica. Fizo l purmeiro curso de mirandés cun Amadeu Ferreira, an 2001, i zdende ten dado passicos a la par de las pessonas cun quien daprendiu todo i a quien dá bida nas sues cuontas de quando l tiempo tenie tiempo.

Disponível na Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real... | Traga-Mundos – lhibros i binos, cousas i lhoisas de l Douro an Bila Rial...
[também disponível os seguintes títulos an mirandés - alguns bilingues: "Antre Monas i Sbolácios" Adelaide Monteiro, "Camino de la Cándena" Alcides Meirinhos, "Ua Antologie - Poeta Mirandés" Fernando de Castro Branco, “Tiempo de Las Cereijas” de SãoSendin, "L Ancuontro" Valter Deusdado, "L Bózio de Las Raízes" Rosa Maria Fernandes Martins, "L Mais Alto Cantar de Salomon" bersion de Fracisco Niebro, "L Pastor Que Se Metiu de Marineiro" Faustino Antão, "L Purmeiro Libro de Bersos" Fonso Roixo, "L Segundo Libro de Bersos" Fonso Roixo, “Nuobas Fábulas Mirandesas i Cuontas Sacadas de la Bida” de Faustino Antão, "Ls Bersos de Jantonho" José António Esteves, "Lucrécia Cunta-mos Como Era" Alcina Pires, "Nuobas Fábulas Mirandesas i Cuontas Sacadas de la Bida" Faustino Antão, "Tortulhas - Cuontas Deste Mundo i de l Outro" Alfredo Cameirão; “Mensaige” de Fernando Pessoa, puosta na mirandés por Fracisco Niebro; “Ls Lusíadas” de Luís Vaz de Camões; “Mirandés – Stória dua lhéngua i dun pobo” e “Ls Lusíadas” banda zenhada José Ruy; “Calantriç de Nineç” de Rapç de la Rue, “La Mona L Maio” José Francisco João Fernandes; “Tra-los-Montes” de Nuno Neves; “Bózios, Retombos i Siléncios / Gritos, Ecos e Silêncios” de Adelaide Monteiro;  “L Segredo de Peinha Campana” texto Fracisco Niebro dezeinhos Sara Cangueiro, “La Bouba de La Tenerie” e “Ars Vivendim Ars Mortendi” de Fracisco Niebro; “La Mona l Maio – Cuontas de la Raia i de l Praino | A Mona de Maio – Contos da Raia e do Planalto” de José Francisco João Fernandes, traduçon / tradução Alcides Meirinhos, eilhustraçones / ilustrações Ana Afonso;  “O Medronho Ponto por Ponto – L Madronho Punto por Punto – El Madroño Punto por Punto”, texto – testo – texto Manuela Barros Ferreira, ilustração – eilhustraçon – ilustración Nádia Torres, edição trilingue: português, mirandês e castelhano; “O Lodo e as Estrelas / L Lhodo i Las Streilhas” de Telmo Ferraz, traduçion pa l mirandês Fracisco Niebro; “A Terra de Duas Línguas – II – Antologia de Autores Transmontanos” coordenação: Ernesto Rodrigues e Amadeu Ferreira]

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

A Contingência Europeia por António Covas


Apresentação do livro “A contingência europeia, as linhas de fractura e a transição para a união política” de António Covas
apresentação do autor por Prof. Dr. Artur Cristovão (UTAD)
dia 10 de Janeiro de 2017, terça-feira, 21h00
na livraria Traga-Mundos, Vila Real, Portugal

«Em 2015, ao invocar a memória de Ulrich Beck e a sua sociedade dos riscos globais, não podemos deixar de ficar constrangidos pela iminência de várias linhas de fractura na União Europeia que os factos recentes da geopolítica europeia e mundial teimam em confirmar. É esta eclosão iminente de riscos globais que justifica hoje, em minha opinião, a urgência de uma abordagem de natureza federal, na linha de um governo dos comuns, como o sistema de governo mais apropriado no quadro da futura união política europeia.
Assim, ao mesmo tempo que providenciamos um modesto contributo para o aprofundamento político desta questão prestamos, também, uma singela homenagem ao grande sociólogo alemão dos riscos e da contingência globais. A sua intervenção na conferência inaugural do VIII Congresso Português de Sociologia realizado em Évora em Abril de 2014 serviu-nos de inspiração quando afirmou, nomeadamente «É preciso compreender a modernidade europeia para lá das crises e apostar na promoção de valores mais amplos, globais e cosmopolitas, isto é, é preciso resolver a crise europeia com uma grande política».
Em 2014, foram publicadas duas obras de referência de Jeremy Rifkin, uma já traduzida para português, A 3ª revolução Industrial, e outra em língua inglesa, The zero marginal cost society. Na linha de livros anteriores, são dois excelentes contributos para a sociedade da informação e do conhecimento e o governo dos bens comuns colaborativos, duas reflexões que têm inspirado os meus escritos mais recentes e que tanta falta fazem ao pensamento político europeu.
Em 1985 assinámos o tratado de adesão às Comunidades Europeias e em 1986 começou a nossa aventura europeia. Estamos em 2016, comemoramos trinta anos de projecto europeu. Este livro é, também, o meu singelo contributo para essa comemoração.»



António Alberto Alves
Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro
Rua Miguel Bombarda, 24 – 26 – 28 em Vila Real
2.ª, 3.ª, 5.ª, 6.ª, Sáb. das 10h00 às 20h00 e 4.ª feira das 14h00 às 23h00
259 103 113 | 935 157 323 | traga.mundos1@gmail.com

Próximos eventos:
- de 1 de Dezembro de 2016 a 6 de Janeiro de 2017: exposição de escultura por Paulo Duarte, na Traga-Mundos, em Vila Real;
- dia 10 de Janeiro de 2017, terça-feira, pelas 21h00: apresentação do livro "A contingência europeia, as linhas de fractura e a transição para a união política" de António Covas, pelo Prof. Dr. Artur Cristovão (UTAD), com a presença do autor, na Traga-Mundos, em Vila Real;
- dia 13 de Janeiro de 2017, sexta-feira, pelas 21h00: “Um Calhau simples” – ler e ouvir poesia, na Traga-Mundos, em Vila Real;
- dia 14 de Janeiro de 2017, sábado, das 14h00 às 18h00: oficina de iniciação ao tricot, tricota_mundos, na Traga-Mundos, em Vila Real;
- dia 17 de Janeiro de 2017, terça-feira, pelas 21h00: tricota_mundos, all night knitting – noite #4, na Traga-Mundos, em Vila Real;
- dia 28 de Janeiro de 2017, sábado, pelas 21h00: apresentação do livro “Maria Castanha – Outras Memórias” de Jorge Lage, pelo Prof. Dr. José Alves Ribeiro (UTAD), com a presença do autor, na Traga-Mundos, em Vila Real;
- e ao longo de 2017 haverá mais, sempre muito mais...

domingo, 1 de janeiro de 2017

de 2016 para 2017


caríssim@s amig@s

recordamos que ao longo de 2016 a traga_mundos esteve em 103 eventos: apresentação de livros, exposições, banca de livros, Encontro Livreiro de Trás-os-Montes e Alto Douro, tertúlias, Actos da Cultura Galego-Portuguesa, encontros poéticos, sessões de contos, tricotar – entre organizar e convidado a participar…
por Trás-os-Montes e Alto Douro, também do Porto à Galiza…

a todos vocês, amigos e familiares, clientes e produtores, escritores e artesãos, livreiros e editores, o nosso muito muito obrigado pelo apoio e interesse ao longo de todo este tempo – que é o que nos faz continuar, teimar, persistir...

para 2017, irão acontecer mudanças e novidades – algumas que anunciamos no 4.º aniversário e apenas esperamos este ano para consolidarmos certezas. iremos, por exemplo, repensar a presença da traga_mundos em Vila Real…

os nossos agradecimentos à Biblioteca Municipal, ao colectivo Calhau, ao Club, ao Espaço d’Artes, ao Grupo de Missão para a Artes e a Cultura da UTAD, à Inquieta – produtora cultural, à Lua de Alecrim, ao atelier Paulo Duarte, aos Peripécia Teatro, ao Projecto Capella, ao Short Cutz, ao Teatro Municipal, à Transa – cooperativa cultural, à Zona Livre, aos seus responsáveis e participantes, por nos ajudarem a respirar melhor a Cultura em Vila Real…

os nossos agradecimentos à Rádio Voz do Marão, ao programa radiofónico Espaço Douro, ao quinzenário As Artes Entre As Letras, que noticiam as iniciativas da traga_mundos, com um único critério: o jornalístico – não atendendo a capelinhas, a compadrios, a partidarismos e afins…

os nossos agradecimentos aos Municípios de Alfandega da Fé, Bragança, Chaves, Miranda do Douro, Sabrosa, Vila Pouca de Aguiar, que sempre souberam acolher a traga_mundos em iniciativas e participações – reconhecendo o mérito do trabalho que a traga_mundos desenvolve na Região…

os nossos agradecimentos a quem tão bem acolhe a traga_mundos quando andamos por e pela Galiza – nomeadamente em Cultura Que Une…

que os dias por estrear tragam as coisas boas de que os dias velhos se esqueceram
PRÓSPERO 2017

antónio alberto alves
31 de Dezembro de 2016

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

KM 0 - Ponte Escrita


 “KM 0”
contos de Antón Cortizas Amado, Cristina Carvalho, Elena Gallego Abad, Herculano Pombo, Inma López Silva, João Madureira, José Carlos Barros, José Fanha, Manuel Araújo, Nuno Camarneiro, Olinda Beja, Paulo Moreiras, Rita Taborda Duarte, Rui Vieira, Tiago Salazar
ilustrações de Richard Câmara

Ponte Escrita
I Encontro Luso-Galaico de Escritores
Chaves

«Fecho os olhos e imagino a construção da Ponte de Trajano, o estrangeiro, mesmo aqui por detrás destas janelas. Eles existem, os construtores existem! Oiço-os a batucar as pedras, os chamamentos, oiço os que mergulham e os que constroem na terra seca, e também os que avançam para as alturas dos pilares. Eles existem, sim! Fazem ecoar as suas palavras pelos caminhos dos tempos, palavras que se unem aos dias e às noites e de tal maneira que chegam agora até aqui, até esta casa onde me sento durante um certo espaço de tempo. É certo que não os percebo, pois articulam sons diferentes dos que eu uso. Tudo tem um som diferente, mas consigo ver as suas expressões, perceber todos os gestos, receber uma certa informação com séculos e séculos de avanços e recuos. E há o amor. Existe um amor romano, como todo o amor deve existir num sonho. A construção continua, pedra após pedra.» Cristina Carvalho

Disponível na Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real... | Traga-Mundos – lhibros i binos, cousas i lhoisas de l Douro an Bila Rial...


segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Presépio mirandês


Presépio – capa de honra mirandesa, pauliteiro de miranda e menino jesus da cartolinha

fabrico artesanal, em cerâmica,
pintado à mão

Disponível na Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real... | Traga-Mundos – lhibros i binos, cousas i lhoisas de l Douro an Bila Rial...


sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Apresentação de doçaria do Norte, Portugal


Apresentação do livro “A Doçaria Portuguesa - Norte”
pela autora: Cristina Castro
dia 17 de Dezembro de 2016, sábado, 21h00
na livraria Traga-Mundos, Vila Real, Portugal


“… ficaremos com o melhor inventário que, seguramente, alguma vez foi efectuado para esta actividade tão poética como são os nossos doces.” Virgílio Nogueiro Gomes in Prefácio

A colecção A Doçaria Portuguesa, composta por cinco volumes, visa facultar ao público o mais abrangente inventário da doçaria portuguesa contemporânea. A investigação é desenvolvida por Cristina Castro, responsável pelo projecto No Ponto (noponto.pt), em parceria com uma equipa multidisciplinar e com a orientação do gastrónomo Virgílio Nogueiro Gomes e da historiadora Isabel Fernandes.

O presente volume, Norte, retrata as actuais especialidades doceiras de cada concelho nortenho, num total de mais de 150 doces, com um rigoroso estudo bibliográfico que acompanha a informação recolhida in loco, um magnífico trabalho fotográfico de Gonçalo Barriga e gulosas ilustrações da autoria de Ana Gil.

De origem popular ou conventual, antigos ou recentes, famosos ou pouco conhecidos, os doces incluídos neste livro traduzem uma laboriosa investigação no terreno em busca da origem dos doces, das histórias de quem os faz, e dos locais onde prová-los. Sem dúvida, o melhor guia para adoçar as suas viagens.

Sobre o livro:
· 312 páginas
· 148 Fotografias
· 8 Ilustrações
· 60 Concelhos do Norte
· 200 produtores

Autor: Cristina Castro
Prefácio: Virgílio Nogueiro Gomes
Ilustrações: Ana Gil
Fotografias: Gonçalo Barriga

António Alberto Alves
Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro
Rua Miguel Bombarda, 24 – 26 – 28 em Vila Real
2.ª, 3.ª, 5.ª, 6.ª, Sáb. das 10h00 às 20h00 e 4.ª feira das 14h00 às 23h00
259 103 113 | 935 157 323 | traga.mundos1@gmail.com

Próximos eventos:
- dia 19 de Dezembro de 2016, segunda-feira, pelas 21h00: tricota_mundos, all night knitting – noite #3, na Traga-Mundos, em Vila Real;
- dia 28 de Janeiro de 2017, sábado, pelas 21h00: apresentação do livro “Maria Castanha – Outras Memórias” de Jorge Lage, pelo Prof. Dr. José Alves Ribeiro (UTAD), com a presença do autor, na Traga-Mundos, em Vila Real;
- e ao longo de 2017 haverá mais, sempre muito mais...


domingo, 4 de dezembro de 2016

Mercado de Natal da UTAD


A Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real, foi convidada para participar com uma banca de livros, mais algumas coisas e loisas, no Mercado de Natal da UTAD, dia 12 de Dezembro de 2016, segunda-feira, das 10h00 às 19h00, no átrio do Edifício de Geociências, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, em Vila Real, Portugal.

sábado, 3 de dezembro de 2016

Apresentação de "Viagem..." - pelo Neolítico Duriense


Apresentação do livro “Viagem…”
pelo autor: Manuel Dinis Cortes
dia 9 de Dezembro de 2016, sexta-feira, 21h00

na livraria Traga-Mundos, Vila Real, Portugal

"Viagem…" é uma obra centrada num personagem dos finais do Neolítico Duriense, um caçador-recolector e das suas vivências...

«Este livro é uma viagem pela natureza humana. Nasce de uma inquietação interior… uma coluna de fumo visionada no horizonte predispõe para a aventura e para uma singular jornada feita de extraordinárias descobertas… O Primogénito é um jovem bravo, hábil e artista que inicia uma viagem em que a curiosidade e a aventura o norteiam. Uma viagem como deveria ser a nossa vida: o mérito e a procura da sabedoria são o ponto de partida; o bem-fazer e a competência pontuam o itinerário; e o ponto de chegada conflui na realização pessoal…»


Manuel Diniz Gaspar Cardoso Cortes nasceu em Vila Real em 23 de setembro de 1955. |  Frequentou o ensino primário e o Liceu Nacional de Vila Real, tendo sido coordenador do seu Núcleo de Arqueologia Juvenil nos anos de 1969 a 1971. | Representou o Liceu de Vila Real chefiando uma delegação constituída ainda pelos Alunos José Luís e Agostinho Pinto no 1º Encontro Nacional Juvenil de Arqueologia no Porto, sob a orientação do prof. Adriano Vasco Rodrigues. | Ingressa na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra em 1973 e conclui o Curso de Medicina em Janeiro de 1980. | Integra a Carreira de Medicina Geral e Familiar em 1983 sendo actualmente Chefe de Serviço (Assistente Graduado sénior) da área de Dependências da ARS Alentejo. | Coordena de momento o Centro de Respostas Integradas do Litoral Alentejano e é Responsável Clínico da Região Alentejo na área das Dependências. | Desenvolveu inúmeros trabalhos na área da biodiversidade sendo colaborador de múltiplos projectos , nomeadamente com o SeivaCorgo  e outros , mantendo contactos e participação activa nos encontros de Cinegrafia e Fotografia de Natureza promovidos pela UTAD (Prof.João Carrola) | Prémio CARREIRA - Fotógrafo de Natureza do ano 2016 atribuído pela Câmara Municipal de Castelo de Vide e pela Associação FAPAS pelo trabalho desenvolvido não só na actividade fotográfica mas na actividade formativa e de divulgação a ela inerente. | É aluno de Mestrado da UTAD em "Arqueologia pré-Histórica e Arte Rupestre" 2016/2017
  

António Alberto Alves
Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro
Rua Miguel Bombarda, 24 – 26 – 28 em Vila Real
2.ª, 3.ª, 5.ª, 6.ª, Sáb. das 10h00 às 20h00 e 4.ª feira das 14h00 às 23h00
259 103 113 | 935 157 323 | traga.mundos1@gmail.com

Próximos eventos:
- dia 17 de Dezembro de 2016, sábado, pelas 21h00: apresentação do livro “A Doçaria Portuguesa – Norte” de Cristina Castro, pela autora, na Traga-Mundos, em Vila Real;
- dia 19 de Dezembro de 2016, segunda-feira, pelas 21h00: tricota_mundos, all night knitting – noite #3, na Traga-Mundos, em Vila Real;
- dia 28 de Janeiro de 2017, sábado, pelas 21h00: apresentação do livro “Maria Castanha – Outras Memórias” de Jorge Lage, pelo Prof. Dr. José Alves Ribeiro (UTAD), com a presença do autor, na Traga-Mundos, em Vila Real;
- e ao longo de 2017 haverá mais, sempre muito mais...



sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Galegos no Douro - na obra de João de Araújo Correia


“Galegos no Douro na Obra de João de Araújo Carreia”
organização, introdução e notas: M. Hercília Agarez
posfácio: Gaspar Martins Pereira
fotografias do Douro: Noel Magalhães
caricatura de João de Araújo Carreia: Tossan
design de capa: Dénis Fernández Cabrera
diagramação: Sacauntos

impresso na Galiza por Sacauntos Cooperativa Gráfica

apoio da livraria Traga-Mundos

À noite, depois do vinho, os galegos dançavam.
E que bem dançavam a muiñera, os galegos!
António Cabral

«Alto Douro Vinhateiro, celebrado desde há séculos pelos seus vinhos generosos, é uma paisagem monumental, resultado de um esforço gigantesco dos homens para domar a natureza hostil. Num território encravado entre montanhas, foi preciso trabalhar os solos pobres e pedregosas das encostas íngremes para os transformar em patamares de vinha, erguer milhares de quilómetros de muros de xisto para amparar a terra e tratar das videiras, continuamente, em condições difíceis, dada a aridez e o rigor do clima, com Verões secos e escaldantes, que espalhavam febres palustres…

(…) Ao longo dos séculos XVIII e XIX tornou-se contínua a participação de galegos nos trabalhos mais duros da viticultura do Douro. Ainda hoje, é corrente usar a expressão “trabalhar como um galego”, quando se quer falar de trabalho penoso. Chegavam todos os anos, como aves de arribação, em bandos ou ‘empreitas’, oferecendo os seus serviços pelas quintas.

Em finais do século XIX, a epopeia da reconstrução do vinhedo duriense, que havia sito totalmente devastado pela filoxera desde os anos sessenta, foi protagonizada, em grande parte, por galegos.» Gaspar Martins Pereira

É dessa participação que João de Araújo Correia nos fala nas crónicas e contos que nos deixou.

Disponível na Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real... | Traga-Mundos – lhibros i binos, cousas i lhoisas de l Douro an Bila Rial...
também disponível os títulos: “Pátria Pequena”, “Palavras Fora da Boca”, “Pontos Finais”, “Nova Freguesia”, “Depoimento de João Semana Sobre a Vida Clínica de Aldeia”; “Contos e Novelas I (Contos Bárbaros, Contos Durienses, Terra Ingrata)”, “Contos e Novelas II (Cinza do Lar, Casa Paterna, Caminho de Consortes, Folhas de Xisto)”, “Sem Método – notas sertanejas”, “Contos Bárbaros”, “O Porto do meu tempo”, “Manta de Farrapos”, “Contos Durienses”. “Perfil Literário de João de Araújo Correia” de Cruz Malpique; “O Homem do Douro nos contos de João de Araújo Correia” e “Manuel do Mundo – Drama Duriense” de Altino Moreira Cardoso; “João de Araújo Correia – Cronista das Gentes do Douro” de Manuel Joaquim Martins de Freitas (vencedor do Prémio Literário A. Lopes de Oliveira / CMF). “à conversa com João de Araújo Correia” de José Braga-Amaral. “Papagaios de Papel – Leitura de um conto de João de Araújo Correia” de Maria da Assunção Anes Morais. “Letras Com Vida – literatura, cultura e arte”, n.º 2, 2.º semestre de 2010 dossiê escritor “João de Araújo Correia” coordenação de António José Borges. Revista “Geia” n.º 1 (Dezembro 2009), n.º 2 (Dezembro 2011), n.º 3 (Setembro 2013), n.º 4 (Outubro 2015) edição da Tertúlia de João de Araújo Correia – recordamos que também disponibilizamos a ficha de adesão à Tertúlia de João de Araújo Correia]

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Agenda 2017 - Vamos lá! Por Portugal


Agenda 2017 – Vamos lá! Por Portugal.
O que não (se) pode perder no interior de Portugal

O Papa-figos volta a apontar como destino, o interior do País.
Esta é uma agenda diferente. Para além de ser uma agenda, apresenta o que de mais diferenciador acontece no interior do País em termos de: Festividades religiosas; festivais de música e outras artes; eventos de animação, desportivos, históricos e culturais; festivais gastronómicos, de doçaria e feiras de produtos locais; calendário da natureza.

É uma agenda em duas partes.
Na primeira, ao longo das várias semanas, são referenciados 371 acontecimentos.
Na segunda parte são destacados 111 acontecimentos, apresentados com detalhe e por 118 fotografias.
São 96 os municípios com acontecimentos referenciados e/ou destacados.

Vamos lá! Pelo interior.
 

Para além de ser uma agenda, apresenta o que acontece no interior do País.
No outro lado de Portugal!
O lado do espaço, da serenidade, da nossa força interior.
O lado da descoberta, da diferença genuína, do encanto e do segredo.
O lado da inspiração, das origens, da memória e da saudade que nos faz regressar.
Esta é a agenda dum Portugal pouco conhecido.
Com acontecimentos que existem porque as pessoas lhe dão alma.
Pessoas que nos desafiam e nos convidam:
- Venham ver o que é nosso!
Muito mais do que uma agenda, uma prenda com muitas sugestões para outras tantas viagens de descoberta…


Disponível na Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real... | Traga-Mundos – lhibros i binos, cousas i lhoisas de l Douro an Bila Rial...


quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Exposição de escultura, por Paulo Duarte

Metamorfose de um anjo

Exposição de escultura – 3 obras
por Paulo Duarte
de 1 de Dezembro de 2016 a 6 de Janeiro de 2017
na livraria Traga-Mundos, Vila Real, Portugal

Tipo matéria; Peças Escultóricas
Pedra - Xisto (Rocha metamórfica), aproximando das características do Basalto Volfrâmio.
Rocha Metamórfica (depósitos sedimentados muito ricos em ferro que sofrem metamorfismo, compostos por hematite, e magnetite), extraído do Túnel do Marão.

Casa - Atelier
Artes Plásticas
Paulo Duarte - Escultor (emergente)
Nasceu em Moçambique em 1963, Nacionalidade - Portuguesa; a residir em Vila Real (Trás-os-Montes) Portugal desde 1975.

A elevação do Homem como Condição do Tempo
Inicia o percurso profissional e artístico ligado ás artes gráficas, passando pelo audiovisual e multimédia, design gráfico, e editor de conteúdos, na qualidade de funcionário na Escola Superior de Educação de Vila Real, e na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro; Rescinde contrato com comum acordo com o Estado Português no ano de 2014.
Numa constante atitude inerente a um processo Construtivista, realiza as primeiras cinco exposições de pintura a óleo, e pastel, entre 1995, e 2003
1ª. Exposição ”Os Tempos” Pinturas a Óleo sobre tela em Agosto de 1995 no Centro Cultural e Regional de Vila Real; 2ª. Exposição” 26 de Março a 1 de Abril de 2001 Biblioteca Central da UTAD; 3ª. Exposição “Retrospetiva de os Tempos”; de 16 a 30 de Abril de 2001, Centro Cultural e Regional de Vila Real; 4ª. Exposição Individual de 1 a 8 de Junho de 2003, Centro Cultural e Regional de Vila Real.  A 1ª. Exposição Coletiva no Jardim da Carreira, em Vila Real um dia com os Pintores: Nuno Castelo e Andreia Martins, 26 de Junho de 1996.
Em 2016; Participa pela primeira vez com duas peças escultóricas, numa amostra, numa Exposição Coletiva com Artistas Plásticos do Norte de Portugal, e Galiza, integrado no programa; Vila Real Capital da Cultura do Eixo Atlântico 2016, "CULTURA QUE UNE".
Em 2009 ingressa na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, como estudante trabalhador, interrompe a formação universitária em 2012, reingressa em 2014 | Artes Plástica - Ramo de Escultura.
O emergir da linha como meio, e forma de uma extensão de um percurso, a evasão de novos territórios à descoberta a procura; O jogo dos elementos, os objetos num contexto da imagem desenhos escultóricos;
O Objeto Escultórico como Forma, inerente à sua inquietude.
“ A elevação do Homem como condição do Tempo” - (o emergir a forma, da matéria)
"Desenho a Vida, e esculpo a existência"
Para mim o que é a arte!

Natividade

sábado, 26 de novembro de 2016

Traga_Mundos na Culturgal 2016


A Traga-Mundos – livros e vinhos, coisas e loisas do Douro em Vila Real, foi convidada para participar com uma banca de livros, mais algumas coisas e loisas, no âmbito do stand da Cultura Que Une, na Culturgal – Feira das Industrias Culturais da Galiza, que se realiza nos dias 2 (sexta-feira), 3 (sábado) e 4 (domingo) de Dezembro de 2016, Pazo da Cultura de Pontevedra, Galiza.